Um dos melhores metroidvanias que tive a oportunidade de jogar, somado a uma das histórias que mais gostei, mas que infelizmente não é para todos. Ou será que é?


Ficha Técnica

Título: Vigil: The Longest Night.

Plataforma: Nintendo Switch

Data de Lançamento: 14/10/2020

Tamanho: 3.1Gb

Desenvolvedora/Publicadora: Glass Heart Games/ Another Indie Studio

Jogadores: 1

Save na nuvem: Sim

Em português: Sim

Gênero: Metroidvania, RPG

Preço no Lançamento (US): USD $ 21,99


História

Vigil tem, de longe, uma das melhores histórias que já vi em um Metroidvania, e, infelizmente, é difícil contá-la sem dar muitos spoilers que podem estragar a experiência.

Na pele de Leila, um membro da Ordem dos Vigilantes que retorna a sua terra natal para o aniversário de sua irmã, você terá que desvendar os mistérios da noite eterna enquanto lida com uma horda de monstros que assolam o local, o desaparecimento de pessoas e um misterioso homem que aparece em algumas raras ocasiões, dando a entender que tudo não se passa de um teste.

Será?

Vigil é sombrio e envolto em mistérios. Inclusive existe mais de um final possível, o que aumenta e muito o replay do jogo. A lore é profunda e pode ser descoberta em diálogos, livros e uma série de informações espalhadas pelo mundo.

Eu confesso que daria nota 10 para o jogo apenas pela história em si, que muito me agradou. Talvez o jogo não seja para todos, mas creio que os amantes de uma boa trama, sombria e misteriosa, vão se deleitar.

Gráficos

Dizem que o Diabo está nos detalhes e Vigil faz jus ao ditado. Feito totalmente a mão, o jogo apresenta uma belíssima arte que demonstra todo o cuidado da equipe de produção. Infelizmente, a riqueza de detalhes do mundo e dos personagens se perde um pouco quando jogado no modo portátil do Switch, por isso recomendo fortemente que, sempre que possível, ele seja jogado na dock.

Um dos pontos que me surpreendeu na parte gráfica é que todos os equipamentos mudam a aparência da personagem principal, algo que sabemos dar muito trabalho quando feito a mão.

Jogabilidade

Por outro lado, nem tudo é um mar de flores. O jogo não é para qualquer um devido ao seu nível de dificuldade. Semelhante a Dark Souls, ao morrer seu personagem perde toda a experiência acumulada até então e, diferentemente do jogo de sua inspiração, ela não pode ser recuperada.

Ainda assim achei o jogo extremamente envolvente e não me importei de morrer várias vezes para o primeiro boss do jogo.

Cada arma tem um estilo de combate próprio, por exemplo: com uma espada você é capaz de bloquear ataques de inimigos; já com um machado a personagem pode carregar um golpe mais forte. Independentemente da arma usada no momento, é possível esquivar dos ataques ou usar itens especiais.

Cada vez que sua personagem passa de nível, ela ganha um ponto de habilidade para ser gasto em uma das 5 árvores de habilidades, sendo uma para cada tipo de arma e uma para efeitos gerais, como aumentar a vida ou stamina.

E por falar em stamina, cada ação realizada durante o combate irá gastar um pouco desse recurso, e para sua infelicidade, caso ele acabe, Leila fica cansada e não consegue mais se mover por alguns segundo até tomar fôlego novamente, o que dá tempo suficiente para seus oponentes te matarem.

Por isso é preciso aprender a gerenciar suas ações e golpes e nunca deixar que ela se canse por completo. Não é tão complicado quanto parece, pois o medidor de stamina se regenera sozinho, mas caso não preste atenção e dê um tempo entre um golpe ou outro, vai se ver em apuros.

Infelizmente, o jogo tem dois problemas e um deles acredito que seja apenas um bug. O primeiro é que a tela de load é muito longa, ao ponto de se tornar chato em alguns momentos. O outro é que o jogo trava por alguns segundos quando você muda de arma, o que acontece comigo tanto no modo handheld quanto na dock.

Ainda sim, não são problemas que eu acredite tirar a qualidade do jogo, e o último logo deve ser arrumado pela equipe de produção.

Considerações finais.

Com pequenos defeitos, mas combinando com maestria uma história sombria e mecânicas de jogos famosos, Vigil é uma compra certa para os amantes de desafios e de RPGs com uma excelente trama.


Trailer


* Esse review foi feito com uma chave cedida pela desenvolvedora.