Com inspirações em clássicos como Ninja Gaiden, Within the Blade chegou ao Nintendo Switch de forma sorrateira. Porém, será que o jogo faz bonito tal qual suas inspirações? Veremos na análise de hoje.


Ficha Técnica

Título: Within the Blade

Plataforma: Nintendo Switch

Data de lançamento: 16/07/2021

Tamanho: 179MB

Desenvolvedora: Ametist studio 

Publicadora: Ratalaika Games

Jogadores: 1

Em Português: Não

Gênero: Plataforma

Tempo de Jogo (em média): 10 horas

Save na Nuvem: Sim

Classificação: 16 anos

Preço no Lançamento (BR): R$ 50,99


História

Os eventos do jogo se passam em 1560 d.C, ocasião em que Hideaki (personagem controlável pelo jogador) deve lutar para livrar o Japão de um inimigo que, visando o poder, decidiu invocar as forças das trevas. A introdução da história do jogo é bem simples e serve apenas como um ponto de partida para a ação, área em que o jogo procura se sustentar. Mas será que consegue?

Jogabilidade

Respondendo pergunta anterior, a resposta é “não”.

Em si, o jogo traz alguns esquemas de movimentação interessante, como o personagem já possuir logo no início da aventura o pulo duplo, bem como a habilidade de subir correndo em paredes por um curto período de tempo (caindo após).

Imagem de divulgação

O jogo traz, ainda, elementos de RPG. À medida em que o jogador vai progredindo na história, vai recebendo pontos de experiência que são utilizados para desbloqueio de habilidades (ex: dash) ou benefícios (ex: mais HP). Além disso, esta presente o sistemas de craft de armas e itens para equipar seu ninja.

Cada missão é composta por atividades que o jogo oferece para o jogador (sendo agrupadas por principal e secundária). Fez todas? Ganhará mais experiência para poder melhorar Hideaki.

Porém, no combate é que o jogo se perde. Nem o stealth – o que seria o grande chamariz do jogo – se sustenta, pois o jogo oferece pouquíssimos elementos no cenário para utilização da furtividade, como faz, por exemplo, o excelente Mark of the Ninja (com review e Nintendo POWdcast no site). E quando e oferecida a possibilidade de se esconder, por diversos momentos os inimigos te detectam sabe-se lá como.

Aí você pensa: “vamos para o combate direto!”. Errado! O jogo não funciona bem para o combate corpo a corpo também. Por diversos momentos em minhas jogatinas eu errei espadadas por problemas na hit box do jogo. Todos esses problemas frustram e minam a vontade de querer continuar a jogar.

Gráficos e Sons

O jogo utiliza um padrão pixel-art de 8-bit (algumas vezes se aproximando mais do padrão 16-bit). São cenários bem feitos e bonitos e a movimentação do personagem é competente.

Imagem de divulgação

Contudo, em diversos momentos – como, por exemplo, subindo no telhado de uma casa – o jogador tem a sensação de que o cenário e o personagem não estão no mesmo plano. Nada que comprometa a beleza do jogo ou a jogabilidade, mas pode gerar uma estranheza.

As músicas têm uma pegada japonesa e acabam não sendo memoráveis, mas também não são ruins. Os efeitos sonoros são bons.

Veredito

Lembro com bastante carinho de jogos com temática ninja, como: Shinobi, Ninja Gaiden e Shadow Dancer, então ver esse gênero explorado em um game me enche de esperança e expectativa.

Porém, Within the Blade promete muito e, infelizmente, entrega algo que acaba sendo frustrante em um aspecto essencial para este tipo de jogo: combate e/ou furtividade.

Por isso, acredito que este título é difícil de agradar, inclusive em se tratando daqueles jogadores que já jogaram ou são fãs de jogos do genero.

Talvez no futuro, com atualizações, o jogo possa melhorar, mas por enquanto sigo decepcionado. A honra dos jogos ninja foi manchada, então só resta uma alternativa para este titulo…. E você sabe qual é!


Trailer


*Esta análise foi escrita utilizando uma chave cedida pelos produtores.