Desenvolvido pela Zoink sob o selo de jogos indie da EA, Fe é um daqueles poucos jogos que podem ser considerados como uma experiência e uma obra de arte, mas que peca um pouco em algumas coisas.


Ficha Técnica

Título: Fe

Plataforma: Nintendo Switch

Tamanho: 1.1 GB

Desenvolvedora/Publicadora: Zoink/ EA

Jogadores: 1

Em Português: Não

Gênero: Plataforma/Metroidvania

Save na Nuvem: Sim

Classificação: Livre


Cantando para vencer

Fe é um jogo diferente. Nosso pequeno e carismático protagonista que dá nome ao jogo não é capaz de lutar contra seus inimigos, o que de cara já o diferencia de quase todos os protagonistas de jogos. A criatura não é um combatente e na realidade é muito fraco, de forma que seus inimigos, os Silent Ones, conseguem derrotá-lo com facilidade.

Para avançar no jogo, Fe deve contar principalmente, com sua capacidade de cantar, o que lhe permite se comunicar com animais e interagir com o ambiente. Aprender os idiomas de cada ser vivo que compõe o mundo e estabelecer uma sincronia com eles é uma parte charmosa do jogo, ainda que esse sistema tenha sido um pouco mal implementado. Explico: Uma sincronia exige que você e o animal com o qual tenta se comunicar deixem reta uma linha de audio que os conecta, para tanto é possível usar o direcional direito (que acaba mexendo a câmera junto) ou o controle de movimento do switch (que no caso do modo portátil te faz ficar virando o console para todos os lados). Os dois modos são pouco agradáveis de se usar.

Boa parte dos puzzles do jogo são superados usando a ajuda dos animais e das capacidades de canto de Fe, de forma que você fará muito isso. Ah! Uma outra coisa que você fará de forma corriqueira é fugir, pois nosso belo protagonista não é capaz de lutar. Por isso, ele deve contar com suas pernas e astucia para lidar com os inimigos que por sorte (ou azar do jogador) não dispõem de uma inteligência artificial muito refinada.

Ainda assim, Fe é uma experiencia incrível. Seu mundo aberto te faz sentir perdido e com desejo de explorar cada canto em busca novos animais, segredos e caminhos que podem ser explorados.

Uma arte impecável.

O grande charme de Fe está não apenas no canto, mas na arte que lembra, e muito, uma animação para crianças com todo o cuidado que a Disney teria com uma de suas obras. Os desenvolvedores apostaram em imagens simples, com cores fortes e que abusam do preto para criar algo raramente visto nesta industria, mas que ainda assim consegue passar o sentimento de impotência e perigo que Fe vive ao explorar seu mundo.

Uma historia… Confusa.

Fe não tem diálogos! Na realidade, o jogo não tem uma linha sequer de texto que te ajude a compreender sua história, além de jogá-lo diretamente no meio de um mundo confuso sendo devastado por robôs gigantes que capturam animais. Toda a historia do jogo se dá por meio de pedras com pinturas rupestres e por fragmentos de memórias de alguns robôs mortos encontrados pelo caminho.

Cabe ao jogador tentar decifrar e entender tudo o que está acontecendo ao seu redor, o que, na realidade, é bem interessante e te motiva a explorar ainda mais os mapas do jogo. Porém, este pode ser um fato que afasta alguns jogadores, principalmente os que buscam por um experiência mais narrativa e comum à maioria dos jogos.

Veredito

Fe é diferente. Como uma obra de arte ele é impecável no que faz. Porém, como jogo ele é um título que pode agradar a alguns e desagradar a outros. Porém, acredito que, caso consiga ignorar o controle do jogo e se deixar levar pelo belo mundo ao seu redor, Fe tem tudo para ser uma das experiências mais interessantes do mundo dos games.

E aí? Sentiu vontade de jogar? Já jogou? Deixe suas opiniões nos comentários.


Trailer


*Esta análise foi feita com uma cópia disponibilizada pela produtora.