O acesso antecipado, ou early-access em inglês, é uma prática que tem se tornado cada vez mais comum no desenvolvimento de jogos para computador e seu sucesso foi tão grande que ele migrou para os consoles por meio do serviço Game Preview no Xbox One, claro, com algumas pequenas diferenças.

O conceito é simples, porém muitos não o compreendem: a desenvolvedora coloca o jogo à venda em um estágio inicial de produção, mas por uma valor menor ao que o jogo será comercializado em seu lançamento. Os que resolverem comprar o jogo durante este período, não estão apenas recebendo um desconto, mas um produto não acabado e cheio de erros a serem corrigidos. A prática pode soar estranha para alguns, mas ela ganhou muitos adeptos ao redor mundo (me incluo no grupo) que veem nela uma chance de contribuírem com o desenvolvimento do jogo. No geral, diferente de uma versão “beta”, o acesso antecipado não serve apenas para receber feedback quanto aos bugs, mas para coletar informações junto à comunidade e melhorar, ou até mesmo modificar, o jogo acrescentando novas mecânicas ou modificando as que não funcionam como esperado.

Conan é um dos mais recentes jogos a usar o sistema de early-acess e conta com grandes surpresas u.u

Por mais comum que isso seja, alguns jogos enfrentam problemas pelo fato da comunidade não entender esse conceito, e não são raros os casos em que jogos com potencial são esculhambados por jogadores que acham que deveriam receber um produto pronto e sem qualquer tipo de erro. Isso nos leva ao motivo deste post estar sendo escrito.

Seria essa uma alternativa interessante ao Nintendo Switch?

A impressão que tenho é que a resposta seria um belíssimo sim, pois me parece que os fãs da empresa nipônica costumam ser mais pacientes com o desenvolvimento de seus jogos favoritos e imagino que muitos aqui gostariam te ter tido a chance de adquirir o novo Zelda ainda em seus estágios iniciais para acompanhar a evolução do jogo e até mesmo contribuir com o desenvolvimento dele.

Infelizmente a Nintendo é extremamente apegada a seus jogos e acredito ser praticamente impossível que ela resolva ouvir os jogadores durante o desenvolvimento de seus jogos. Ainda assim, não custa termos esperanças de que talvez o serviço venha a existir algum dia no Switch e que possamos acompanhar de perto o desenvolvimento de um jogo da Nintendo! Quem sabe ao menos ela não permita que terceiros façam isso?

Seria tão bom poder mudar aqueles seres humaninhos cinzas que fazem o Mario parecer um anão de jardim…