Muito já se falou do Switch e dos jogos que virão nele. Jogos portados, jogos que parecem ser bons, jogos questionáveis e o tão aguardado The Legend of Zelda: Breath of The Wild, porém eu gostaria de falar sobre um jogo específico: Super Bomberman R. Veja o trailer abaixo:

Quando este jogo foi exibido, muitos sorriram com a nostalgia que isso lhes trouxe, outros torceram o nariz dizendo que era um jogo overrated. Eu cresci jogando os jogos da franquia Bomberman e confesso que tenho muito carinho por eles, por isso é praticamente impossível escrever esse artigo expressando uma opinião totalmente (ou minimamente) isenta de nostalgia.

Bomberman, para aqueles que não sabem, é um jogo em que você está numa arena cheia de obstáculos (que mais se assemelhavam com labirintos), com outros oponentes e seu objetivo é destruí-los com suas bombas. Acima de tudo, é um game bem-humorado, com um multiplayer fantástico, estratégico, que te faz pensar rápido e que exige que você tenha uma percepção de tudo que está acontecendo no cenário. Para te ajudar (ou não!), há power-ups de bombas, velocidade e até mesmo um que permite que você pegue as bombas com as mãos lançando para frente ou chute-as para longe.

À primeira vista parece ser um jogo bem simples, porém basta uma jogadinha e você percebe o quão complexo ele é. Nele você perde, na maioria das vezes, por bombas que você lança sem prestar atenção no seu entorno, ou seja, você literalmente se explode sem querer. Quantas vezes eu não lancei uma bomba em um lugar sem perceber que havia outra bomba próxima? Acontece que uma bomba explode a outra e não preciso nem dizer o que aconteceu comigo nessas ocasiões, não é? Se você jogou os jogos do SNES, é impossível esconder esse sorriso que você acabou de dar pelo simples fato de ter recordado um grande momento de sua vida gamer, né?

Nos casos descritos acima, e em tantos outros, eu não ficava bravo com o jogo, ou com o personagem ou com Deuses dos videogames. Não, isso não! Eu ficava bravo comigo, por não ter reparado ou não ter conseguido evitar algo que bastava uma rápida análise no cenário para perceber que aquilo que eu tentei nunca daria certo. É claro que há os critérios de competência e habilidade e alguém pode superá-lo nesses quesitos, porém o que deixa o jogo divertido é justamente esse “acaso”, essa possibilidade de falar “Nossa! Dei mole!”. Isso acaba equiparando os jogadores bons, os viciados e os ruins. Todos estão suscetíveis ao erro, e esse jogo potencializa isso. Sabe o que é mais impressionante? Todos sabemos como é psicologicamente ruim se sentir frustrado, mas é impressionante como eles conseguiram transformar o que seria uma sequência de frustrações em uma pura e simples diversão.

Nem pense em fazer fileiras de bombas! Isso é praticamente suicídio.

A minha opinião, caro leitor, é que este é um belíssimo exemplo de algo que tem feito falta ao mercado, um game que pode se classificado como para consoles portáteis (por ter partidas de rápida duração) ou para consoles de mesa (por causa do fator multiplayer). Para a proposta do Switch é algo mais que perfeito, não é?

Muito embora eu responda com animação e tenha boas recordações com esse anúncio, temos que ponderar e nos perguntar: a forma de jogar videogames mudou muito desde o Super Nintendo, por isso será que o mercado realmente quer um jogo do Bomberman? Ou seria esse um game que apenas os fãs da franquia comprarão a ideia? O personagem é carismático, mas só isso é capaz de vender? A verdade é que temos uma aposta com esse jogo, uma aposta no console e uma aposta em cativar um novo público que, talvez, não seja tão fácil de cativar.

Eu já disse em um post anterior que nostalgia vende (clique aqui e leia mais). Essa é uma forma de também fazer as camadas mais novas conhecerem seus produtos, pois pais querem reviver momentos e compartilhar sua infância com os filhos. Quem sabe não é um recomeço desta franquia e de tantas outras que se perderam com o passar dos anos? Quem sabe na nostalgia dos pais as empresas relancem o passado de olho no futuro? Vamos esperar para ver, mas se você nunca jogou nada da franquia, dê uma chance. Chame os amigos, compre refrigerantes, salgadinhos e passe uma tarde inteira se divertindo. Há tempo para jogos grandes e solitários, mas há tempo também para jogar com seus amigos. Acredite: isso faz um bem danado!

E você? O que espera? Deixo abaixo um vídeo com a abertura do jogo!