DestaquesGeralSwitch

BGS Nindies Showcase 2017

A BGS passou e a saudade ficou (pelo menos até o próximo ano). Encontrei amigos, joguei vários jogos e pude curtir muito o que a feira tem a oferecer.

A Nintendo mais uma vez ficou de fora do evento, o máximo que pudemos ver foi um homem vestido de Rabbid dançando em frente ao estande da Ubisoft. Nem um Switchzinho com o jogo a Ubisoft colocou, triste né?

Havia filas, muitas filas! No entanto, o evento estava bem organizado e as filas andavam, mas a quantidade de pessoas presentes nos estandes me impediu de jogar tudo que a concorrência estava trazendo, o que é uma pena! Entretanto, devemos pensar pelo lado positivo, pois foi por isso que fui para a “esquecida” área indie. Desenvolvedores brasileiros, expondo suas pérolas de forma comedida, mesmo assim impressionante. Estandes pequenos, pouco concorridos, mas que trazem experiências muito gratificantes. E diferente dos AAA do restante da feira, os desenvolvedores estavam lá e você podia conversar com eles e ouvir o que eles tinham a dizer.

E nesses papos, em um rápido levantamento que fizemos com eles, percebemos a vontade deles de lançar seus jogos para o Nintendo Switch, seja planejando um financiamento coletivo, ou buscando publicadoras, ou até com recursos próprios. No post de hoje vou destacar alguns jogos Indies que jogamos na feira.

No Heroes Here

Desenvolvedora: Mad Mimic Interactive

Confirmado para Switch já no início de 2018 (sem data especificada). O jogo é extremamente divertido de jogar em grupo. Funciona como um Tower Defense cooperativo, em que você e seus amigos devem sincronizar as atividades a fim de proteger o castelo. O jogo está redondinho para ser lançado para o Switch e tem a cara do console.

Trajes Fatais

Desenvolvedora: Onanim Studios

É um jogo de luta 2D. Pena que tomei uma Surra do Jow em um duelo de “cangaceiros”. O jogo ainda está em estágio de desenvolvimento e a versão que jogamos contava com apenas alguns personagens, um botão de golpe e um especial, mas já deu pra perceber como a jogabilidade está bem trabalhada e animações estão bem feitas.

Em conversa com os desenvolvedores do jogo, eles disseram que no lançamento o jogo contará com 15 personagens jogáveis e em breve terão todos os botões de golpes. O lançamento para o Switch deve vir com financiamento coletivo.

Zaaljinn: Wrath of Elementals

Entre as andanças, um jogo chamou atenção pela beleza de sua arte. Este é um jogo que une o gênero plataforma com elementos de RPG (ataques elementais que você pode utilizar a seu favor). O jogo ainda está em desenvolvimento e a primeira impressão agradou bastante.

Uma versão para Switch ainda não é certa, depende de uma publicadora ou, até mesmo, um financiamento coletivo para acontecer, porém os desenvolvedores disseram que querem muito que o jogo saia para a plataforma. Esperamos que seja um sucesso e que venha para a biblioteca nintendista.

Confira o site do game aqui.

Observer

Desenvolvedora: Aspyr Media

O estúdio não é brasileiro, mas merece destaque. Mais um grande jogo que pude experimentar na feira. O jogo é meio que um PT (novo Silent Hill que foi cancelado recentemente). Você começa em um ambiente desconhecido e encontra um cara ensanguentado. Ele não consegue explicar o que ocorreu e então você lê os pensamentos dele com sua habilidade especial. O jogo tem um ambiente interessante e belos gráficos.

Questionado sobre uma versão para o Switch, o representante da desenvolvedora informou que ainda não há previsão, mas que a versão do jogo Layers of Fear (jogo anterior do estúdio) deverá chegar em breve ao console.

Esquadrão 51

Desenvolvedora: Loomiarts

Um dos jogos que eu mais gostei de jogar na feira (se não foi o que eu mais gostei). O jogo já chama atenção com seu visual “filme preto e branco” e com um efeito de câmera que imita as interferências das TVs antigas. Explosões em preto e branco, inimigos passando em segundo plano e vindo para o combate, tempestade, tudo funciona muito bem e em perfeita harmonia.

A imersão no ambiente de filme antigo já começa na introdução da história, pois os desenvolvedores tiveram a preocupação de dar um efeito “abafado” às vozes dos narradores, gerando a ideia de um registro histórico recuperado.

A jogabilidade não fica muito atrás e te prende do início ao fim da fase. Um shoot’em up divertidíssimo e muito gostoso de se jogar. A movimentação do avião está bem natural e influencia até mesmo os tiros disparados. Além disso, jogar em coop local é uma experiência fantástica e que queremos muito ver no Switch.

Quanto a um lançamento para o console, há a vontade, mas depende de outras variáveis. Vamos torcer para que possamos jogar nos nossos joycons em qualquer lugar, pois esse jogo é sensacional.

White Lie

Desenvolvedora: Ambize

O game tem um visual muito bonito que traz um estilo todo próprio, além de prometer uma história emocionante. A premissa do jogo é simples: você controla um coelho de pelúcia que perdeu a sua dona e que, entre uma lembrança de bons momentos com ela e outra, sai à procura dela. O jogo ainda está em financiamento coletivo e lançamento para os consoles da atual geração pode ser uma realidade, dependendo da quantia arrecadada.

Confira o site e contribua aqui.

Space Rider

Desenvolvedora: Knackwire

Desenvolvido por apenas uma pessoa, Diogo Pallazo Dias, o jogo tem suporte ao VR e, acreditem, é fantástico jogar com o óculos de realidade virtual. O jogo é uma batalha entre seu helicóptero e vários OVNIs, tudo isso dentro de uma arena bem restrita.

O VR te dá uma ideia de arena 3D que dá sensação de profundidade e faz parecer que você está ali, de frente para a batalha. O game está previsto somente para PC, porém o desenvolvedor disse que, passada a barreira do lançamento, buscará os contatos para tentar levar seu game aos consoles.


Gostei muito dos jogos da BGS e estou ansioso para ver mais jogos brazucas no Switch. Que venham muitos e muitos jogos e que nosso mercado de games se torne cada vez mais visível pelo mundo afora.

Até o próximo post!

Gostou? Então compartilhe!

Tovar

Nintendista desde os 8-bits, pulei somente a geração GameCube (que recuperei com o Wii). Jogo em qualquer plataforma. Um fã de The Legend of Zelda, Donkey Kong, Mario, Mega Man, e de outros grandes nomes da indústria.