Altamente inspirado em títulos do subgênero Metroidvania, Souldiers é um jogo indie que pega emprestado elementos de títulos altamente aclamados como Castlevania e Metroid, ambos conhecidos por suas mecânicas centrais que giram em torno da exploração, aquisição de habilidades, desbloqueio de novas áreas por meio do uso de novas habilidades etc. Dito isto, vamos ver o que está neste Metroidvania de meia-idade para nós.


Ficha Técnica

Título: Souldiers

Plataforma: Nintendo Switch

Data de lançamento: 02/06/2022

Tamanho: 1.6 GB

Desenvolvedora: Retro Forge

Publicadora: Plug In Digital

Jogadores: 1

Em Português: Sim

Gênero: Ação, Aventura, RPG, Plataforma

Tempo de Jogo (em média): 30 horas

Save na Nuvem: Sim

Classificação: 12 anos

Preço no Lançamento (BR): R$ 45,99

Preço no Lançamento (EUA): US$ 19,99


Escolha sua classe

Escolhendo a classe

A história de Souldiers segue um grupo de guerreiros que entraram em uma missão e se viram perdidos em outra dimensão chamada Terragaya. Agora, eles têm que encontrar seu caminho de volta para o seu próprio mundo com a ajuda de Valkyrias. Desde o início, podemos escolher entre três classes para criar nosso personagem jogável: Scout, uma classe bem equilibrada em termos de ataque e defesa; Archer, que vem com um arco e flechas que permitem o uso de ataques de longo alcance; e Caster, que está equipado com magias que consomem mana quando usadas.

Como a maioria dos Metroidvania, matar monstros e criaturas em geral lhe dará XP, e quando você conseguir XP suficiente subirá de nível. À medida que você avança, pontos de habilidade são obtidos, então é possível abrir a página de habilidades pausando o jogo e acessando a sua respectiva guia. Nesta página, há uma árvore de habilidades, com várias delas restritas por nível e que exigem diferentes quantidades de pontos de habilidade para serem aprendidas.

Equipamento secundário

Além disso, os inimigos constantemente dropam orbes de saúde que restabelecem sua barra de saúde, além de orbes secundários que restauram sua barra de equipamentos de suporte que permite que você use coisas como bombas.

Jogando como um Scout, as coisas são bem diretas em termos de ataque e defesa. Temos que nos concentrar em uma abordagem de combate a curta distância, conhecendo o melhor momento para ativar o escudo e realizar uma parada no ataque do inimigo. Isso causará um bom dano aos monstros, sendo uma ótima maneira de se vingar deles.

Ao escolher um Archer, você terá que usar o segundo stick analógico para controlar sua mira. Quando se trata do Caster, podemos lançar projéteis mágicos que seguirão os inimigos e causarão dano a eles, além de ser possível usar um movimento secundário e mais forte pressionando X que esgota sua barra de habilidades e cria um cooldown depois disso.

Metroidvania, mas não quiseram parar por aqui

Chaves

Além de ser um Metroidvania, Souldiers também empresta coisas do subgênero Soulslike, como você deve ter notado por causa do jogo de palavras com seu título. Sempre que você morre, o personagem é enviado de volta ao último checkpoint e perde todos os itens coletados e XP até aquele ponto. Se você escolher uma dificuldade mais fácil, essas coisas não acontecerão, mas você ainda será enviado para o seu último checkpoint, também perdendo acesso aos achievements internos.

Fora isso, existem alguns quebra-cabeças a serem resolvidos, como alguns que envolvem empurrar grandes pedras e levantar algum tipo de balança para abrir uma nova passagem secreta. Também existem habilidades elementais, que adicionarão efeitos especiais ao seu ataque, além de permitir que você acenda tochas em pura escuridão, por exemplo.

Como não poderia ser diferente aqui, existem as lutas contra chefes, que exigirão o seu melhor para acertar as hitboxes do inimigo e fugir de seus ataques. Como muitos jogos do tipo Souls, temos que memorizar os padrões de ataque e usar nosso parry, comando de defesa e rolar no chão para desviar dos movimentos o máximo que pudermos, para – assim – podermos vencê-los e obter uma habilidade interessante que agrega valor ao sistema de combate. Isso é muito parecido com um jogo do tipo Mega Man, no qual uma vez que você derrota um chefe, você obtém sua arma principal.

Pontos negativos

Lutas com chefes

Souls são bem conhecidos por sua dificuldade, como sua inspiração: Dark Souls. Aqui as coisas não são diferentes, pois temos que matar, morrer e repetir várias vezes. Isso cansa rapidamente, pois a derrota do nosso personagem não pode ser evitada e nem sempre será sua culpa. Mesmo com os checkpoints isso não é amenizado, sem falar na quantidade de golpes exigidos para destruir um inimigo mesmo na dificuldade mais fácil: tudo parece desbalanceado.

Souldiers também tem um pequeno problema com sua câmera, já que me peguei muitas vezes dando saltos de fé, encontrando inimigos de repente e caindo sobre espetos que me recebiam drenando um punhado de pontos de saúde da minha barra de saúde. Claro que você pode carregar consigo uma poção para melhorar a situação, mas boa sorte encontrando elas ou pagando o alto preço cobrado na loja.

O sistema de combate parece bom, mas o que não é bom é o input delay. O tempo para que seus comandos respondam é significativamente alto, causando um efeito de lentidão de ataques indesejados, saltos e outros movimentos em geral. Isso também me incomodou muito em termos de parry, que acabou sendo algo que me recusei a usar, pois falhava 90% das vezes.

Novas habilidades

No começo, subir de nível parece levar uma eternidade, e eu nunca me senti forte o suficiente, já que algumas das habilidades iniciais levariam 3 pontos para serem adquiridas. Isso é uma chatice, já que três níveis parecem demorar eternamente quando as coisas estão apenas esquentando. Isso deveria ter sido feito mais rapidamente no início do jogo para incentivar e provavelmente não ajudará pessoas a continuarem.

Além disso, não há nenhum objetivo sendo apontado em seu mapa, o que significa que as chances são altas de você se perder aqui e ali. Me peguei tentando descobrir meu próximo objetivo no jogo várias vezes, pois estava totalmente confuso sobre o que estava fazendo ou qual item-chave eu estava perseguindo no momento. A clareza não é uma característica forte aqui.

E não posso esquecer das telas de carregamento e do sistema de salvamento, e ambos acabaram sendo uma dor de cabeça: cada tempo de carregamento levava até 60 segundos ou mais, enquanto o sistema de salvamento coloca uma sobreposição na tela apenas para mascarar a versão anterior do jogo em que tudo começa a engasgar e ficar instável ao salvar.

Escolha sua classe e morra com o input delay

Souldiers é um jogo impiedoso de várias maneiras, desde sua câmera que esconde o que está por vir até o input delay perceptível que provavelmente afastará algumas pessoas. Certamente, a versão Switch é de longe a pior, já que as outras rodam a 60 fps, eliminando o atraso nos comandos que muito provavelmente está associado à taxa de quadros – a versão Switch roda a 30.

Além disso, este indie Metroidvania deveria ter comunicado melhor sua natureza Soulslike, já que acabou sendo promovido como um jogo Metroidvania e ponto. Parecem que “erraram a mão” um pouco na inspiração e acertaram o desbalanceamento em vários quesitos, além de decisões ruins de game design como o save que requer duas interações para, de fato, salvar o progresso. Finalmente, recomendo Souldiers se você se considera um grande fã do subgênero Soulslike mais do que o Metroidvania, mas esteja ciente de que a paciência será sua melhor amiga aqui.


Trailer do Jogo


* Esta análise foi feita utilizando uma chave enviada pelos produtores