Death's Door capa

Death’s Door é um jogo indie desenvolvido no conhecido software Unity. À primeira vista, este título me chamou a atenção por causa de seu estilo de arte e do protagonista carismático, mas me deixou completamente viciado devido à mecânica de jogo extremamente divertida ao estilo Zelda que ele tem a oferecer. Dito isso, eu me desafiei a tentar, mesmo que Roguelite tenha sido um dos meus subgêneros menos favoritos ultimamente por causa de sua característica de “ficar bom” que não é mais minha praia por questões de tempo.


Ficha Técnica

Título: Death’s Door

Plataforma: Nintendo Switch

Data de lançamento: 23/11/2021

Tamanho: 2.7 GB

Desenvolvedora: Acid Nerve

Publicadora: Devolver Digital

Jogadores: 1 (local)

Em Português: Sim

Gênero: Ação, Aventura, Arcade

Tempo de Jogo (em média): 10 horas

Save na Nuvem: Sim

Classificação: Livre

Preço no Lançamento (BR): R$ 101,95

Preço no Lançamento (EUA): US$ 19,99


Corvinho maroto e suas armas

Protagonista corvinho
Protagonista corvinho

Aqui você é um pequeno corvo ceifador inicialmente armado com uma espada espiritual, encarregado da missão de perseguir almas e trazê-las de volta ao mundo Hub. Cada estágio em que você entra tem uma porta grande e de aparência antiga como entrada principal, por onde podemos ir e voltar para a área do Hub para comprar upgrades para nosso personagem principal a qualquer hora que quisermos, além de recuperar nossa saúde simplesmente pisando lá.

Todas as melhorias disponíveis oferecem quatro categorias diferentes (poder, destreza, velocidade e distância) que podem ser adquiridas gastando almas, que ganhamos matando todos os tipos de inimigos dentro das várias áreas existentes. Essas atualizações melhoram não apenas nossa força ao derrotar monstros, mas também nossa capacidade de desviar de ataques mais rapidamente e de desferir golpes mais rapidamente. Adicionalmente, também encontramos diferentes armas ao longo da jornada.

Pontos de controle montados por nós mesmos

Cidades para visitar
Cidades para visitar

Ao longo das etapas podemos encontrar sementes no chão, que podem ser plantadas em vasos espalhados pelas áreas. Essas plantas serão usadas para repor nossa saúde assim que interagimos com elas – o que as fazem morrer imediatamente -, além de serem úteis antes das lutas contra chefes, pois esses vasos são convenientes e estrategicamente posicionados antes desses momentos.

Em termos de inimigos, existem vários monstros diferentes para enfrentar em Death’s Door, a maioria deles equipados com diferentes conjuntos de movimentos que exigem que o jogador preste muita atenção neles e memorize seus padrões para vencer a batalha e seguir em frente. Isso realmente ajuda a evitar que a repetição seja empurrada na cara dos jogadores o tempo todo, afastando o jogo de um estilo de jogo chato e esmagador.

Lutas com chefes
Lutas com chefes

Para ajudar nisso, Death’s Door conta com alguns quebra-cabeças diferentes, alguns deles funcionando um pouco bem com a perspectiva da câmera, além de um fator de exploração em torno dos cenários. A maioria deles será resolvida para abrir portas e algumas outras rotas para você prosseguir, enquanto outras servirão como forma de desvendar segredos e mais orbes para upgrades.

Não me entenda mal: Death’s Door é um jogo fantástico, mas comete algumas falhas, mais comuns neste mundo Roguelite. Não há opções de dificuldade, nem uma maneira de personalizar sua experiência brincando com a quantidade de dano causado ou recebido, muito menos uma maneira de definir um modo Deus. Essa falta de certeza de personalização afastará algumas das pessoas mais exigentes – como eu – quando se trata da natureza Roguelite do jogo.

Desafios secretos
Desafios secretos

Pessoalmente, odeio morrer muitas vezes nesses tipos de experiências, que muitas vezes me matam apenas por causa da coisa de “get good”. Eu sei o quão importante é o processo de “morrer e repetir”, mas acredito que cabe a mim decidir esse tipo de coisa.

Ultimamente, tenho adicionado à minha lista de Rogue de primeira linha apenas os jogos que me permitem escolher a melhor maneira de jogá-los. Caso contrário, eles serão apenas um teste para minha paciência, o que eu recuso.

Zelda Roguelite

Death’s Door é a culminação do jogo estilo Zelda combinado com a mecânica Roguelite. Felizmente, aqui não precisamos enfrentar o tipo de estrutura que irá redefinir seu progresso e fazer suas lágrimas escorrerem pelo seu rosto quando você morrer, algo que é visto principalmente em títulos Roguelike. Em vez disso, vamos percorrer grupos de inimigos até chegar a um ponto de batalha de chefe, seguido por alguns quebra-cabeças que conectarão diferentes caminhos, como acontece em Dark Souls e similares. Dito isso, apenas senti a falta de ter opções extras para personalizar minha experiência, já que não sinto vontade de morrer o tempo todo em jogos como esse. Como sempre digo: às vezes eu simplesmente não quero ser desafiado.

Se você é uma pessoa que prefere títulos que permitem personalizar sua experiência da maneira que desejar, acredito que Death’s Door o decepcionará, já que há alguns picos de dificuldade aqui e ali podem irritar, afastando alguns jogadores e causando a sensação de que se passou mais tempo em uma área do que realmente gostariam.


Trailer do Jogo


* Esta análise foi feita utilizando uma chave enviada pelos produtores