Em time que está ganhando não se mexe, correto? Negando essa premissa, a Team17 resolveu mexer no primeiro Overcooked com o intuito de melhorá-lo, para ganhar ainda mais. Mas será que conseguiram?


Ficha Técnica

Título: Overcooked! 2

Plataforma: Nintendo Switch

Tamanho: 3,8 GB

Desenvolvedora/Publicadora: Team17 Digital Ltd

Jogadores: 1-4 jogadores

Em Português: Não

Gênero: Estrategia, Simulação, Party game

Save na Nuvem: Sim

Classificação: Livre


História

Expandindo o primeiro jogo, Overcooked veio com uma quantidade maior de chefs, de fases, desafios mais amplos, fases secretas, funcionalidades novas, facilitou algumas coisas, e muito mais.

A história de Overcooked! 2 é uma desculpa mais que perfeita para juntar seus amigos e se divertirem jogando. Enquanto o Rei Cebola estava lendo uma receita secreta do livro Necro-Nomnom-Icon, acabou invocando sem querer as hostes malignas dos Pães Zumbis. Sendo necessário acalmá-los, os jogadores controlam os melhores chefs, das mais variadas raças, nos lugares mais diferentes, com o objetivo de alimentá-los.

Por mais simples que pareça ser, a história do jogo é desenvolvida aos poucos. No modo Campanha, existem vários capítulos com 6 fases cada. Quando um deles é finalizado, é necessário voltar para o castelo e conversar com o Rei, que informa a situação atual das hostes e libera outra missão para prosseguir com o jogo. Além das fases convencionais, é possível completar alguns desafios secretos e liberar uma fase extra, bem mais desafiadora.

Jogabilidade

Overcooked! 2 é um jogo com foco no multiplayer. Ele não funciona bem jogando solo, pois, dessa forma, o jogador deve controlar dois chefs ao mesmo tempo, alterando entre eles, o que não é agradável. Assim, fica óbvio que ele foi feito exclusivamente para se jogar em conjunto. Partidas com dois, três ou até quatro players é quando Overcooked! 2 mostra seu trunfo: o trabalho em equipe.

Sua jogabilidade é simples. Conforme os pedidos aparecem, os chefs devem preparar os pratos. Somente isso.

Acontece que, para obter êxito, é necessário fazer muitos dos passos da cozinha, mais ou menos nessa ordem:

  • Pegar o item (alface, massa de pizza, tortilla, carne, frango, queijo, arroz, etc.);
  • Fatiar/cortar/amassar no balcão;
  • Colocar no fogo (para cozinhar, fritar, assar, etc.);
  • Repetir os mesmos passos com os outros itens da receita;
  • Montar os pratos;
  • Levar os pratos para serem servidos;
  • Por último, lavar os pratos.

Para algumas refeições, alguns passos não são necessários, pois existem receitas como Sashimi e salada que não possuem ingredientes que vão para o fogo.

Até aí parece fácil, correto? Bom, acontece que todo esse processo é influenciado pelo posicionamento de cada elemento, além de muitas e muitas variações de cada fase. Tudo, absolutamente tudo, no jogo é feito com o intuito de prejudicar o jogador. E isso é muito bom!

O jogo usufrui de um alto nível de aleatoriedade, e torna isso parte da jogabilidade de uma forma genial. Fases que giram, que mexem o balcão dos itens, coisas que trocam de lugar ou simplesmente somem por um tempo, e outras dificuldades que vão se apresentando pouco a pouco. Um outro exemplo disso é o posicionamento do lixo, pois é comum fases em que ele está do lado dos únicos balcões disponíveis para montar os alimentos prontos no prato e, na pressa e pressão que o jogo coloca, o jogador acaba muitas vezes jogando alimentos prontos no lixo. Isso pode parecer frustrante, mas como eu disse anteriormente o objetivo é dificultar a vida do jogador e gerar momentos engraçados durante as jogatinas. Claro, isso quando as pessoas entendem que é simplesmente um jogo e vidas de verdade não dependem dele.

Um outro detalhe de gameplay que dificulta a vida do jogador é que, quando um item é arremessado em direção a um chef, caso ele não esteja de frente para pegá-lo, o item tem força o suficiente para empurrar o jogador. Isso inclusive pode acontecer em precipícios, fazendo com que o chef caia e tenha que esperar 5 segundos para renascer. Claramente os desenvolvedores elaboraram essa funcionalidade de propósito, pois seria muito mais fácil fazer com que os itens arremessados colidissem e caíssem ao bater em um jogador.

Tudo o que foi pensado em Overcooked! 2, foi pensado bem o suficiente para equilibrar o nível de frustração com o nível de conquista quando se finaliza uma fase. É muito bom quando, depois de várias tentativas, todos os amigos trabalharam em equipe tão bem que conseguem 3 estrelas no fim da fase.

O jogo possui uma ótima precisão na jogabilidade. O hit box para se pegar um item específico entre muitos no chão é exato e fácil de se acostumar. Quando um item é arremessado e outro jogador está passando em sua trajetória, ele pega o item no ar. Além disso, o balcão ou item ficam brilhantes quando se está na frente dele, facilitando muito para uma jogabilidade rápida.

Por fim, os comandos são simples e contextuais. Basicamente é possível jogar controlando somente o botão de pegar e o botão de ação para cortar/fatiar/amassar. Isso colabora com o foco multiplayer do jogo, pois é acessível para quem tem pouca ou nenhuma experiência com videogames.

Para o modo online, infelizmente não é tão fácil encontrar jogadores aleatórios e, quando acha, o delay e o lag fazem com que a partida caia logo em seguida.

Arte

Visual

Overcooked! 2 já seria um jogo ótimo considerando somente a história e jogabilidade. Mas, para se tornar melhor ainda, ele possui um nível altíssimo quando se trata da sua parte artística.

Seu design utiliza um belíssimo cartoon para compor as imagens, com cores bem vivas e claras, sendo atraente para os olhos de uma criança e para os olhos de um adulto bem vivido.

A tela de seleção de fases é um mapa interativo e vivo, e o jogador anda por ele controlando um ônibus. Os elementos do mapa, como árvores e pequenos personagens, mexem-se quando há algum vento ou quando o ônibus passa por perto. Inclusive, quando o ônibus precisa andar na água ou no ar, surge nele um bote inflável ou asas e turbinas. Pode parecer um detahe bobo, mas é algo simples que brilha os olhos dos mais atentos.

Somado às cores vivas e claras, cada fase é diferente, com detalhes que as tornam únicas. O posicionamento dos itens e dos balcões, pessoas fora ou dentro da cozinha, elementos que rotacionam, sobem, descem e trocam de lugar, a parte de fora da cozinha também, animais, enfeites, muitos e muitos outros detalhes compôem cada fase para torná-la única.

Além disso, o fato de haver plataformas que se movem tem um motivo claro. Algumas fases acontecem na água, e a correnteza movimenta a. Outras são em uma escola de magia, que faz com que os balcões ergam e se mexam.

Uma fase em específico me chamou muito a atenção. Ela acontece em um balão. Durante a Jogatina, ele passa por uma tempestade, chove, caem raios que fazem com que algumas partes peguem fogo, o vento faz com que o balão balance, até que, de repente, a fase se solta das cordas e cai. Não vou estragar a experiência de quem ainda vai jogar, mas é maravilhoso todo o desenvolvimento dessa fase.

Trilha sonora

O fator épico do jogo encontra seu ápice aqui. Se a trilha sonora já era boa no primeiro, aqui ela conseguiu melhorar. As músicas são orquestradas, belíssimas e agradáveis. São o elemento que mais colabora com a tensão do jogo. Quando o tempo da fase está se encerrando, a música acelera seu ritmo e fica assim até terminar, colocando mais pressão nos jogadores.

As trilhas sonoras dos jogos de hoje em dia, quando se trata de um ambiente em específico, como rio, mina, castelos, etc., já possuem um padrão conhecido. Overcooked! 2 se supera, fazendo com que a maioria das músicas fujam do padrão. Na escola de magia, por exemplo, eu imaginara que a música seria semelhante à dos filmes Harry Potter, como alguns jogos já fizeram, mas é totalmente diferente e mesmo assim se encaixa de forma perfeita.

Veredito

Overcooked! 2 pega tudo que deu certo no primeiro jogo e melhora ainda mais a experiência, chegando a alcançar um patamar épico. É o jogo certo para quem deseja juntar uma galera e se divertir por horas a fio.

Infelizmente as partidas online não fluem como deveriam, é frustrante por não funcionar tão bem. Fora isso, o jogo funciona perfeitamente apenas no multiplayer de sofá.

Com sua história simples, a jogabilidade marcante e precisa, o visual agradável e detalhista e uma trilha sonora épica e emocionante, o jogo vai além de um mero party game, agradando a todos os dispostos a se divertirem.

Recomendo Overcooked! 2 para todas as pessoas, principalmente para aquelas que gostam de chamar os amigos para jogar em casa.

Você já tem o jogo? Quer marcar de jogar online? Deixe sua opinião nos comentários.