Sundered chega ao Switch trazendo um Metroidvania desenhado à mão e que te forçará a fazer escolhas entre resistir ou corromper poderes antigos. Entretanto, será que o jogo se sai bem?


Ficha Técnica

Título: Sundered: Eldritch Edition

Tamanho: 2 GB

Desenvolvedora/Publicadora: Thunder Lotus Games.

Jogadores: 1 a 4.

Em português: Sim.

Gênero: Metroidvania/RogueLike.


É um prazer ver um jogo que ajudei a financiar chegar ao Switch e poder fazer um review na plataforma! Antes de falar sobre o jogo, gostaria de deixar claro que, por ter jogado a versão original no PC e a nova na switch, posso afirmar que o console da Nintendo não deixa nada a desejar, trazendo uma experiência confortável e desafiadora.

Sundered é um Metroidvania que consegue ao mesmo tempo ser fiel à forma classica e dar uma nova cara ao gênero. Ouso dizer que ele é um dos melhores já lançados do gênero e ao jogá-lo, tenho certeza que irá concordar comigo.

História

No papel de Ashe, uma exploradora que fica presa nas ruínas de um antigo mundo em decadência, você será guiado por vastas cavernas e locais decrépitos por uma voz um tanto macabra que lhe concede poderes sobrenaturais, e que claramente tem algum objetivo oculto para com Ashe. É por meio dessa voz que você irá descobrir um pouco mais dos eventos que tornaram o local uma ruína infestada de horrores.

Existem duas facções que fazem parte da historia do local, o Eschatom, que cultuava uma divindade e possuia grande fervor religioso; e as Valkirias, uma civilização que invadiu o local com sua tecnologia avançada e travou uma guerra com os locais.

Jogabilidade

Sundered é um metroidvania clássico, no qual você irá precisar de certos upgrades para poder avançar no mapa, porém ele consegue beber da fonte RogueLike sem que isso faça o jogo perder a estrutura de um metroidavania. Para tal, existem áreas principais que jamais mudam e áreas conectadas a elas que mudam de várias formas cada vez que você morre. Dessa forma, você sempre sabe aonde precisaria ir, mas não exatamente o que irá encontrar no caminho. O jogo ainda toma o cuidado para que cada uma dessas áreas mutáveis jamais sejam construídas de forma que você não possa passar por conta de um upgrade que não deveria ter no momento.

Um dos pontos altos do jogo são as Hordas: em intervalos intederminados, você irá ouvir um gongo soando; nesse momento hordas de inimigos invadirão o mapa de todos os lados e tentarão de tudo para matá-lo. Isso adiciona um nível de dificuldade interessante ao jogo, pois você nunca sabe quando ficará cercado por inimigos e terá que lutar por sua vida até o gongo parar de soar.

Ah, nem pense em fugir, a horda te seguirá não importa aonde for. Sim, não existem áreas seguras em que a horda não possa alcançá-lo…

O que nos leva aos elementos de RPG do jogo.

Ashe, uma exploradora, não possui nenhuma arma ao seu alcance. Sua única defesa vem dos poderes concedidos pela voz que te guia. Para melhorar Ashe, você precisa gastar pontos de “experiência” que surgem como cristais, em um monolito chamado Zaekthaesz e que te permite por exemplo aumentar o dano de seus golpes, reduzir o dano causado por inimigos ou melhorar seu escudo mágico. Aqui você também poderá equipar skills especiais conseguidas ao longo do jogo que trazem uma vantagem e uma desvantagem. Um upgrade por exemplo faz com que você recupere um pouco de seu escudo para cada inimigo morto, mas reduz o tempo de recarga natural do escudo; outro regenera sua munição a cada 30 segundos, mas reduz o dano fisico em 25%.

É, basicamente tudo no jogo te fará fazer escolhas, e nem todas são faceis.

Além disso, você irá coletar poderes especiais que te ajudarão em sua jornada, como dar pulo duplo ou até mesmo disparar um canhão de plasma. Esses poderes são extremamente importantes, pois ao derrotar um chefe você receberá um Fragamento Ancião, e ao coletar três fragmentos, você pode usá-lo para corromper um de seus poderes  nos templos do Eschatom ou destruí-lo na fornalha das Valkirias para ganhar mais experiencia além de alguns upgrades unicos. O jogo deixa MUITO CLARO, que essa é uma escolha fundamental e o final do jogo depende muito dela.

Ao corromper um poder, você doa parte da humanidade de Ashe para torná-lo mais poderoso. Porém, você não terá que apenas escolher se irá ou não fazê-lo, como qual poder corromper sem ter a menor ideia de qual será o efeito… Corromper um poder te ajudará e muito em sua jornada, mas isso vem com um preço que poderá ser sentido muito depois. Não corrompê-los tornará o jogo mais difícil, mas também poderá vir com um preço futuro.

Complicado? Sim, mas o charme do jogo é justamente esse: Não saber o que suas escolhas trarão.

O multiplayer é bem simples: os outros players jogam como sombras coloridas da protagonista. Não são adicionados mais inimigos, porém a vida é uma só para todos os jogadores. Um ponto a se destacar é que para jogar multiplayer será necessário um outro controle (ou par de joycons ou um controle Pro), pois o jogo utiliza todos os botões disponíveis.

Chefes

Oi, eu sou um chefão grande (ainda estou agachado)

Sundered consegue introduzir chefes que são extremamente interessantes e com mecânicas que os tornam difíceis, mas não de forma que isso soe como uma trapaça ou algo forçado. Cada área do jogo possui 3 subchefes e um chefe principal, sendo que cada um deles faz parte da história do jogo de alguma forma. Um dos chefes, por exemplo, é uma antiga sacerdotiza que foi corrompida, outro é um ser que é considerado como um grande traidor por seu povo.

Os chefes principais no geral são bem grandes e vão fazer você dar o seu melhor para derrotá-los, especialmente se escolher não corromper seus poderes.

Veredito

Posso afirmar que o jogo é muito interessante e tem uma boa replay se quiser descobrir todos os finais. Além disso, Sundered é uma verdadeira obra prima: todos os gráficos do jogo foram desenhados a mão, o que lhe dá uma beleza única pouca vista em jogos 2D, e em metroidvanias, que no geral, são dominados pela pixel art (o que não é ruim).

Se você gosta de histórias misteriosas e um bom desafio, Sundered é o jogo certo para você! Fico muito feliz em ver e jogar um jogo que cria uma boa dificuldade sem criar mecanismos que soam como trapaça ou beber da fórmula de Dark Souls.

E se você apenas gosta de metroidvanias, terá em Sundered um prato cheio e que vale a pena. Como disse, o jogo é uma obra prima e acredito ser muito difícil se arrepender de jogá-lo.

Já jogou ou sentiu vontade de jogar? Deixe suas opiniões nos comentários.


Esse review foi feito utilizando uma cópia enviada pelos produtores.