Ao longo dos anos a pirataria tem consumido boa parte das receitas da indústria de videogames. Banimentos de consoles, banimento de contas, verificação de licença online e vários outros métodos foram utilizados, mas um em especial chama a atenção: o método da anti-pirataria trolladora. Vamos ver hoje alguns exemplos disso!

Antes de começar, no entanto, cabe lembrar que, talvez, hoje em dia seja impossível reproduzir os exemplos que citarei abaixo. Isso por que a emulação evoluiu e corrigiu muitos desses “problemas”.

Pokémon e a ameaça de morte

Já tem algum tempo que ouvimos rumores de que existe uma mensagem sinistra que é exibida aos jogadores dos jogos Pokémon FireRed e o LeafGreen que utilizaram a versão pirata extraída diretamente do cartucho original. Em certo ponto dos jogos um barqueiro orienta o jogador a comprar o jogo original ou morrer.

Os relatos dessa mensagem se expalham em fóruns, grupos do facebook e wikis dos referidos jogos, mas é extremamente difícil provar que essa mensagem realmente existe. Talvez, devido aos avanços da emulação, não consigamos mais reproduzir tal conteúdo a fim de comprovar a existência desse artifício! Porém, devido à quantidade de relatos, não podemos desconsiderar, não é? Abaixo, deixo uma imagem de um usuário desses fóruns que diz ter conseguido reproduzir a mensagem.


Earthbound e o chá de sumiço

Talvez esse seja uma das proteções mais “cruéis” contra os pirateiros! Acontece que, ao jogar uma cópia pirata do jogo de RPG do SNES, os inimigos ficavam muito mais difíceis e mais frequentes, ou seja, um modo hiper-difícil forçado que simplesmente desestimulava os jogadores a continuar! E mesmo os que continuavam e conseguia chegar até o chefe final do jogo se deparavam com uma dura realidade: a poucos minutos do final, o jogo simplesmente travava sem dar falha alguma.

Com isso, o jogador só via uma opção a sua frente: resetar o videogame! E é aí que a “crueldade” dos desenvolvedores foi além dos limites, pois o jogo simplesmente sobrescrevia o save por um em branco, ou seja, horas e horas de jogo árduo iam simplesmente por água abaixo!  Cruel, não é?


Michael Jackson em um ritmo diferente

Quem jogou a versão pirata so jogo do Michael Jackson para DS logo no lançamento se deparou com um fato inusitado: os botões do jogo sumiam e os instrumentais do jogo foram substituídos por vulvuzelas! Os instrumentos clássicos da copa do mundo de 2010 estavam no seu portátil, fazendo-o emitir um som insuportável de caixa de abelhas!


Um maquinista com problemas

Em The Legend of Zelda: Spirit Tracks os desenvolvedores fizeram com que os controles do trem simplesmente sumissem! Isso impedia que o jogador infrator completasse a primeira missão do jogo!


Batman, o homem-bigorna

Quando a Rocksteady fez Batman Arkham Asylum ela sabia que seu jogo seria muito pirateado. Não, eles não são a Mãe Dinah! É que qualquer jogo do Batman sempre chamou muita atenção, pois é um dos heróis mais queridos do mundo! E sabendo do jogo que tinham nas mãos, eles tinham que fazer algo para não perder dinheiro.

Por isso, fizeram um sistema de detecção de infratores que, ao localizá-los, impedia que a capa do Batman se abrisse e ele pudesse planar! Quem jogou o jogo sabe o quão importante era planar, não é? Então! Caso o Batman pulasse de um prédio de 5 andares, o que aconteceria com o Batman seria a mesma coisa que aconteceu com o “mamute pequenino que queria voar” (não entendeu? Isso foi um vídeo dos primórdios da internet. Talvez você não seja velho o suficiente! Fique feliz por isso).


Po-po-por hoje é só pe-pe-pe-pessoal.

Esperamos que tenha gostado do post de hoje! Você conhecia algum desses métodos acima? Conhece mais algum? Escreva para a gente!

Até o próximo post!